PT
EN

Solstício Tinto 2010

O nosso segundo vinho tinto conhece o mundo no final de 2013.

É feito de castas antigas de uma vinha muito velha: Alicante Bouschet, Aragonez, Cinsault, Corropio, Grand Bouschet, Moscatel Hamburgo, Moscatel Preto, Moreto, Castelão, Tinta Francesa, Tinta Grossa, Tinta de Olho Branco e Trincadeira.

O mais importante neste grupo de castas, não é o número de variedades, mas sim a idade das videiras que lhes permite, com uma produção muito baixa, uma qualidade de fruto fora do comum. Muitas das videiras são raquíticas. Produzem 3 ou 4 pequenos cachos de uvas com um sabor de polpa e película absolutamente distinto. Tudo é diferente nestas plantas: aspecto, exuberância e fruto. É esta a marca da Serra de S. Mamede.

O ano foi assim.

O equinócio de 2009 chegou sem chuva e sem cogumelos silvestres para apanhar (desde 2006 que era assim). Tempo quente durante os meses de Setembro e Outubro, e Novembro também muito morninho. Chuva a sério só depois de meados de Dezembro. Natal frio e chuvoso.

A meio de Janeiro de 2010 tudo alagado. Água farta por todo o lado. Com a chuva veio o frio e tivemos no interior do país dos maiores nevões de que há memória. Um Inverno a sério é sempre bonito!

A 14 de Janeiro o Alqueva estava cheio e descarregava com força. Tinha finalmente terminado o ciclo de 3 anos secos, em que o ano de 2009 tinha sido de longe o pior (quase 9 meses sem chuva). A chuva e o frio tinham vindo para ficar e ficaram. Os trabalhos na vinha tiveram de esperar pelo mês de Abril. Por fim veio o bom tempo. Maio, Junho e Julho normais, Agosto e Setembro quentes.

A vindima foi dia 9 de Setembro, quinta-feira. Começámos às 7 horas da manhã e às 13 e 30 estava terminada.

Vindimámos 54 caixas de 20 quilos e 60 de 14 quilos, ou seja, apenas 1920 quilos.

Na adega corrigimos com meia grama por litro de ácido tartárico e juntámos um pouco de dióxido de enxofre, os únicos produtos enológicos que nos auxiliaram a fazer este tinto.

Os pés da família esmagaram a uva em lagar que aí se manteve a fermentar.

Vinho com boa cor e equilíbrio nas primeiras análises. Depois foi o vai e vem da cor, a  hesitação de um vinho em barricas que não prometia o que se esperava.

Mas, durante os 18 meses de estágio em 3 barricas, foi crescendo... crescendo... e conseguiu sair muito bom. Engarrafamento sem colagem ou filtragem em Abril de 2012.

Ano e meio de estágio em garrafa para se acomodar ao vidro e ele aí está.

A natureza acaba sempre por vencer. Esperamos que goste.



Análises

Acidez total – 5,4 g/dm3
Acidez volátil – 0,89 g/dm3
Açúcares Totais – 2,8 g/dm3
Dióxido de enxofre total – 78 mg/dm3
pH – 3,73
Título Alcoométrico Volúmico adquirido – 14,3% Vol.
Título Alcoométrico Volúmico total – 14,4% Vol.
Produção – 3 barricas (842 garrafas)

  Partilhar
  Vinhos
Ver Produtor       
Vinhos do Alentejo 2017