PT
EN

Equinócio Branco 2011

O nosso terceiro vinho branco vê luz no final de 2013.

É feito de castas antigas de uma vinha muito velha: Roupeiro, Malvasia Fina, Arinto Cachudo, Arinto Galego, Chasselas, Salsaparrilha, Excelsior, Fernão Pires, Moscatel Galego, Rabo de Ovelha, Tamarez, Formosa, Uva Rei e Vale Grosso.

Algumas delas têm dupla aptidão (vinho e mesa) e são desprezadas para a produção de vinho. Pessoalmente penso que numa vinha velha, com as produções que esta tem, todas as uvas depois de maduras dão um contributo único e indispensável para o lote de vinho final. Não há vinho feito de castas, há vinho feito de uva branca de uma vinha velha. É este o nosso Equinócio. E é assim que queremos que continue a ser. Um aroma e sabor antigo e delicioso que não queremos que deixe de existir nesta Serra - tão bonita - de S. Mamede.
Vem de um ano normal em termos climatéricos.

Outono e Inverno de 2010 chuvosos e frios com algumas inundações. No final de Março de 2011 as culturas estavam atrasadas cerca de duas semanas.

A Primavera chega a meados de Abril e em força, com temperaturas altas (30ºC.). Dia 18 a chuva regressa também em força por mais uma semana. Depois muito calor de novo, com máximas de 31ºC. e mínimas de 20ºC.. Dia 30 de Maio alerta amarelo em todos os distritos do país com chuva e vento fortes. A pressão de fungos foi enorme durante todo o mês de Maio. Grande quebra de produção em todas as regiões. Em Portalegre houve vinhas totalmente dizimadas pelo míldio. Junho, Julho e Agosto normais, secos e calmos com uma ou outra onda de calor no final de Julho. Setembro entra muito chuvoso. Na nossa quinta entre os dias 1 e 2 choveram 42 litros por m2. Felizmente a chuva parou (e só voltou a final de Outubro) e o calor instalou-se durante toda a vindima, com ventos de leste e temperaturas acima da média, por vezes a ultrapassar os 35ºC. Mais incêndios que em Agosto e praias, sem banheiro, a abarrotar de gente. Foi neste ambiente tropical que se fez a vindima de 2011.

A uva foi colhida dia 29 de Agosto antes da chuva do princípio de Setembro.

Bom tempo, calor, uva perfeita. Conseguimos, uma vez mais com a nossa agricultura biológica sair impunes de um ano muito difícil em doenças fúngicas.

Na adega corrigimos apenas com meia grama de ácido tartárico/litro o mosto decantado durante 48 horas.

Foi colocado em barricas muito velhas e começou a fermentar.

Não teve mais qualquer adição de produto enológico, à parte algum dióxido de enxofre no esmagamento da uva. Fermentou durante todo o mês de Setembro e princípio de Outubro. No final tinha 13,6% Vol e um pH de 3,21.

Ficou em barrica até Julho de 2012 quando foi engarrafado com grande expectativa.

O lote antes de ser engarrafado apresentava uma finura e um equilíbrio que nos encantava. As primeiras semanas depois do engarrafamento correram bem - o vinho prometia. Depois fechou-se de tal modo que chegamos a temer o pior.

Meses e meses passaram até que de cada garrafa voltasse a surgir o vinho que tínhamos engarrafado. Quase um ano de espera. Detestou ser engarrafado. Tivemos, pacientemente, de esperar que lhe passasse a birra, mas agora está muito bem. Conseguimos!

Seja feliz com o Equinócio 2011.



Análises

Acidez total – 5,4 g/dm3
Acidez volátil – 0,56 g/dm3
Açúcares Totais – 2,2 g/dm3
Dióxido de enxofre total – 129 mg/dm3
pH – 3,21
Título Alcoométrico Volúmico adquirido – 13,6% Vol.
Título Alcoométrico Volúmico total – 13,7% Vol.
Produção – 5 barricas (1.476 garrafas)

  Partilhar
  Vinhos
Ver Produtor       
Vinhos do Alentejo 2017